• Deixa Falar

O CAPITÃO AHAB é o Brasil-PEQUOD

Atualizado: 7 de Abr de 2020

por Luiz Antonio Aguiar


Quem já leu Moby Dick? É uma obra grandiosa e o personagem que mais me fascina e aterroriza é o Capitão Ahab, que comanda o navio Pequod. Ahab, movido pelo ódio (Moby Dick, num confronto anterior ao livro, havia decepado sua perna), e pelo sentido de vingança, que o inebria, lança sua tripulação na caça à Baleia Branca legendária. Todos a bordo prevêem a tragédia já que uma jornada dessa, afrontando o perigo, uma força da natureza potentíssima, conduzida pela insanidade e pela ira, não poderia acabar bem. E a tragédia realmente é o desfecho da história. Hoje, lendo no jornal que o Bolsonaro e o Gabinete do Ódio preparam uma campanha para incentivar as pessoas a romperem o isolamento, não posso deixar de pensar em Ahab. Na sombra da morte anunciada, da catástrofe, que o acompanha, toda vez que surge em cena. Nossa situação é a mesma da tripulação do Pequod. O Brasil hoje é o Pequod! Por isso, a Literatura é preciosa. Ela devassa e desvenda a alma humana e mesmo o destino, ainda quando fala de coisas distantes no tempo e no lugar (como prescreveu Machado). A tripulação do Pequod sucumbiu à presença maligna e opressora de Ahab. Ninguém reagiu, ninguém cogitou em afastá-lo do comando do navio, ainda quando o desastre era evidente, iminente. Estamos no Brasil-Pequod, com um capitão movido pelo ódio. Bolsonaro não vai recuar. Sua índole o leva a seguir em linha reta, mesmo que seja para o abismo, mas jamais contrariar sua egolatria. Jamais considerar o posição da opinião pública, dos médicos, cientistas, da OMS, os exemplos internacionais, nem a vida de ninguém. Só o que importa é sua revanche. O que o move é o ódio insanável. É algo que arde dentro dele e que o leva a radicalizar cada vez mais, e mais e mais, a cada tentativa de freá-lo, e jamais repensar, jamais fazer autocrítica. Desculpem o spoiler, que na verdade não estraga nada do drama monumental do romance. Exceto o marinheiro que nos conta a história, não houve sobreviventes do Pequod.


Luiz Antonio Aguiar é escritor, com mais de 160 livros publicados, premiado no Brasil e no exterior, como em seu livro Sonhos em Amarelo, publicado pela Melhoramentos. É mestre em Literatura Brasileira, especializado nos romances clássicos nacionais e estrangeiros, particularmente Machado de Assis, sobre quem tem vários livros publicados. Escreveu uma adapatação de Moby Dick, publicada pela FTD. É professor de Literatura e de escrita literária, na Cátedra de Leitura Unesco-PUC/Rj. Tem ensaios informais sobre temas literários, no BLOG DO LUIZ ANTONIO AGUIAR, na aba Fora de Ordem. Nasceu em 1955, mora no Rio de Janeiro.




194 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Deixa falar

Deixa Falar: Criação e Edição de Raul Milliet Filho