Mario Monicelli: um diálogo de seus filmes com o samba carioca.

O que os sambas cariocas e os filmes de Mario Monicelli têm em comum? Muito mais do que você imagina.


Por Raul Milliet Filho


Considero que este artigo é uma forma de fazer política de contra-hegemonia, através da arte do cinema e da arte da música, fugindo do reducionismo e do mecanicismo.

Mario Monicelli, um mestre do cinema italiano, comunista libertário e Noel Rosa, pai fundador do samba e da música popular brasileira sempre bateram no fígado das elites e das classes dominantes. Criticariam com mão pesada e fina ironia Trump e Bolsonaro.


Basta ouvir “Rapaz Folgado” e assistir a “Os Companheiros”. Ou, se preferirem, escutar “Conversa de Botequim” e assistir a “Romance Popular” já seria suficiente.

O blog Deixa Falar fica contente, fica feliz em trazer esta crítica bem humorada, mas contundente.


Afinal, a guerra de posição dentro dos aparelhos privados de hegemonia tem na cultura um instrumento de primeira linha. Acrescento, mencionando na filmografia de Monicelli “A Grande Guerra” e “Onde Está a Honestidade?” dentre as obras primas de Noel.


Mario Monicelli

Apresentação: Nascido em maio de 1915 em Viareggio, nada mais apropriado para reverenciar Mario Monicelli, um dos grandes diretores do cinema contemporâneo do que estabelecer um diálogo entre a temática de seus filmes e a estrutura melódica e as letras dos grandes sambistas cariocas.

Monicelli formou-se em História e Filosofia e ingressou no cinema em parceria com Alberto Mondadori em 1934. Iniciou sua carreira solo de diretor em 1953. Em 1959 conquistou com “A Grande Guerra”, o Leão de Ouro do Festival Internacional de Cinema de Veneza.

Sua filmografia é vasta e criativa: Os Companheiros; Romance Popular; Meus Caros Amigos 1, 2 e 3; L’armata Brancaleone; Brancaleone e as Cruzadas; Parenti Serpenti...

Monicelli dirigiu com o toque dos mestres do cinema os maiores atores de sua época: Marcelo Mastroianni, Renato Salvatori, Annie Girardot, Ugo Tognazzi, Philippe Noiret, Adolfo Celli, Sophia Loren,Vittorio Gassman, Gian Maria Volonté etc. Em seus filmes tangenciava em movimentos pendulares a ironia, a doçura, a denúncia social; pitadas de humor negro em enquadramentos diretos e não rebuscados optando sempre por diálogos diretos e pela captura de componentes da cultura popular combinando distanciamento crítico e imersão afetiva.


E como seria possível traçar um paralelo entre o samba carioca e o cinema de Monicelli? Existe uma temática em comum?


Em janeiro de 2011 o pesquisador Gerdal José de Paula tocou no assunto em crônica sobre uma apresentação do sambista Monarco da Portela:


“... Quem for falar do Monarco hoje não vai terminar. Especialmente, se o sentido da reminiscência for apontado por seus sambas tão marcantes, meio "lupicinianos" a seu jeito e, por si sós, representativos do "romance popular", tomando emprestado o título de filme de um grande diretor do cinema italiano, Mario Monicelli, recentemente falecido, para expressar, no caso, a ótica masculina do sujeito comum, de coração avariado, desgostoso com o proceder da amada, quase sempre falsa e ingrata. Sambas com beleza de letra e melodia que, além da "latinidad" da conduta masculina em face do destino em desalinho com o seu querer, atendem exemplarmente às loas que este grande Hildemar Diniz (no registro civil, nascido no subúrbio carioca de Cavalcante), em outra vertente do seu estro, tece para exaltar a sua azul-e-branco de fé e, por tabela, manifestar o seu apreço e respeito por outros redutos de bambas, como a Mangueira de Cartola e o Estácio de Ismael.”


Seguindo o caminho aberto por Gerdal é possível ampliar os limites deste diálogo de filmes de Monicelli com sambistas cariocas. Lembrando inicialmente de Monarco, Cartola, Noel Rosa, Paulinho da Viola, Geraldo Pereira, Wilson Baptista, Ismael Silva e Ataulfo Alves.


A captura do popular por uma letra de Noel e um diálogo de um filme de Monicelli poderiam ter sido gravados ou fotografados na mesma esquina, no mesmo botequim, com a mesma dor, alegria e ironia na crítica social. Relembrando e comparando:

Cem Mil Réis – Samba – 1936 – (Noel Rosa e Oswaldo Gogliano (Vadico)

Você me pediu cem mil réis

Pra comprar um soirée e um tamborim.

O organdi anda barato pra cachorro,

E um gato lá no morro não é tão caro assim!

Não custa nada preencher formalidade,

Tamborim pra batucada, soirée pra sociedade,

Sou bem sensato, seu pedido atendi,

Já tenho a pele do gato, falta o metro de organdi.

Sei que você num dia faz um tamborim,

Mas ninguém faz um soirée com meio metro de cetim,

De soirée, você num baile se destaca,

Mas não quero mais você, porque não sei vestir casaca.

Obs: Acessando o link abaixo ouvimos uma interpretação de Cem Mil Réis nas vozes do próprio Noel e de Marília Baptista.

Qualquer diálogo de Meus Caros Amigos tem a mesma tonalidade de Cem Mil Réis, onde através do jornalista e narrador Perozzi, interpretado por Philippe Noiret é possível conhecer o cotidiano de cinco amigos cinquentões que perambulam pelas ruas de Florença e adjacências. Não somente Perozzi, como o conde falido, Lello Mascetti (Ugo Tognazzi), o funcionário público e arquiteto Melandri protagonizam encontros que são almas gêmeas das rodas de samba do Rio de Janeiro.

Em Romance Popular, um triângulo amoroso entre um operário, sua jovem esposa e um policial se encaixa como uma luva nos enredos dos sambas “noelinos”. A jovem Vicentina do filme de Monicelli poderia ser Fina, musa inspiradora do poeta da Vila em Três Apitos.


Acessando o link abaixo é possível assistir a uma das cenas de Meus Caros Amigos.



Monicelli, Fellini e Com que Roupa?


Monicelli não esteve próximo de Fellini em seus planos oníricos nem frequentou a temática de Visconti e seu formalismo nos enquadramentos. Seus filmes fluíam em leitos diversos de outro mestre italiano, Ettore Scola, que utilizava roteiros teatralizados.


Ativista político sem abrir mão de uma concepção libertária do mundo e da vida, Monicelli foi um seguidor fiel do neorrealismo de Vittorio De Sica e Rossellini, com forte engajamento social, através de denúncias desenhadas em abordagens do cotidiano das classes populares italianas.


A obra do diretor de Casanova 70 (1965) é o trato dos viventes dos italianos simples em sua luta cotidiana pela sobrevivência utilizando todos os recursos disponíveis, legais ou ilegais, éticos ou amorais, pacíficos ou violentos. Monicelli não idealizava nem naturalizava o proletariado como depositário de todas as virtudes humanas, ensaiando duetos com historiadores como E.P.Thompson em “Costumes em Comum” e “Peculiaridades dos Ingleses e Outros Artigos”.


Monicelli tornou-se o mestre da comédia italiana ao revelar graça na tragédia alheia. Ao fazer as plateias se enxergarem retratadas na tela, conseguiu fazê-las gargalhar das próprias misérias e contradições. Autor de mais de 60 filmes e mais de 70 roteiros, “Monicelli não poupou nenhuma das bases sobre as quais a sociedade italiana se sustenta: a família, a virgindade, o casamento, a Igreja, o bairrismo provinciano, as discussões sanguíneas, a malandragem, o machismo, a pasta, o vinho, o gosto pelos prazeres da vida, o saudosismo e a inveja.” (Revista Época - 02/12/2010)

Em Meus Caros Amigos a história gira em torno da amizade entre cinquentões que mangam da vida não escapando do reflexo dos seus espelhos vingativos. Invadem festas, estapeiam passageiros embarcados em trem, fazem troça em velórios, cemitérios, traem e são traídos por suas mulheres, tudo em nome da mesma vida cigana (ciganagem) em que viviam (ainda vivem?) alguns sambistas cariocas.

A letra de um dos clássicos da MPB, talvez o maior sucesso de Noel Rosa, estampa um Monicelli de corpo inteiro. Nunca é demais ouvir “Com que Roupa”, como nesta interpretação do próprio Noel.




Com que roupa – Noel Rosa


Agora vou mudar minha conduta, eu vou pra luta pois eu quero me aprumar

Vou tratar você com a força bruta, pra poder me reabilitar

Pois esta vida não está sopa e eu pergunto: com que roupa?

Com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou?

Com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou?

Agora, eu não ando mais fagueiro, pois o dinheiro não é fácil de ganhar

Mesmo eu sendo um cabra trapaceiro, não consigo ter nem pra gastar

Eu já corri de vento em popa, mas agora com que roupa?

Com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou?

Com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou?

Eu hoje estou pulando como sapo, pra ver se escapo desta praga de urubu

Já estou coberto de farrapo, eu vou acabar ficando nu

Meu terno já virou estopa e eu nem sei mais com que roupa

Com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou?

Com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou?

Luiz Zanin Oricchio, traz à luz um panorama incisivo do diretor italiano.


“Mario, comunista ferrenho fez também filmes "sérios", entre eles um clássico do cinema político, Os Companheiros (1963), com Marcello Mastroianni no papel de um militante de esquerda que entrega a vida à causa. Mas, comunista peninsular, também desconfiava de maneira natural do excesso de seriedade. Lembrava-se de um tempo mais relaxado em que as pessoas iam ao cinema, divertiam-se, comentavam o filme, bebiam e fumavam durante as sessões. "O cinema era mais popular. Depois veio a crítica e quis nos fazer crer que era uma "arte" sagrada, que se deveria reverenciar, e perdemos a espontaneidade. As sessões viraram ritos fúnebres."”

Mario tinha o raro dom de fazer um cinema que diverte, mostra conteúdo e portanto pode agradar tanto ao intelectual exigente quanto à gente do povo. Qual o segredo? "Não ter medo de olhar para a realidade e mostrá-la na tela. E desmascarar os poderosos a golpes de ironia."


Parece simples. Mas quem consegue fazer isso hoje em dia, nessa época em que a realidade é aquilo que mais se esconde e a ironia perdeu lugar para uma pseudo-seriedade autocomplacente? A fôrma que fez Monicelli parece ter se quebrado.

Mikhail Bakhtin e Henri Lefebvre são parceiros de Monicelli e de vários sambistas cariocas nesta aventura da desconstrução parcial e efêmera do poder constituído e da seriedade parnasiana dos discursos oficiais, através da ironia, da mordacidade e das festas populares.


“As festividades (qualquer que seja o seu tipo) são uma forma primordial, marcante, da civilização humana. Não é preciso considerá-las nem explicá-las como um produto das condições e finalidades práticas do trabalho coletivo nem, interpretação mais vulgar ainda, da necessidade biológica (fisiológica) de descanso periódico. As festividades tiveram sempre um conteúdo essencial, um sentido profundo, exprimiram sempre uma concepção do mundo. Os “exercícios” de regulamentação e aperfeiçoamento do processo do trabalho coletivo, o “jogo no trabalho”, o descanso ou a trégua no trabalho nunca chegaram a ser verdadeiras festas...“ (Mikhail Bakhtin – A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento)

Os Companheiros, Filosofia e Meu Mundo é Hoje: um filme e dois sambas.

Turim, final do dezenove, a Revolução Industrial caminhava em ritmo acelerado. Em contraponto, as ideias anarquistas e socialistas e as primeiras experiências das organizações partidárias e sindicais delineavam um painel social explosivo. Neste cenário aparece o professor Sinigaglia, personagem interpretado por Marcelo Mastroianni que chega à cidade, foragido da polícia genovesa.

Mario Monicelli em Os Companheiros realiza um épico do cinema político, sem abrir mão do diálogo da amargura e da ironia, nas tratativas com os patrões; nas conversas entre os próprios operários e no romance do protagonista com a personagem interpretada por Annie Girardot, uma prostituta filha de uma das lideranças dos grevistas.

No vídeo abaixo, uma das passagens de “Os Companheiros”, uma reunião de trabalhadores, com os personagens interpretados por Mastroianni e Renato Salvatori.



Neste segundo link, o filme na íntegra:



Como Woody Allen, para quem cada plano é um filme, pensamos em planos representativos do impacto inesperado causado por Monicelli, Noel Rosa e Wilson Baptista nos espectadores e ouvintes.


O cinema pode ser objeto de análises que deságuam em vertentes das mais variadas. Narrativas de linguagem e conteúdos tão diversos que acabam os dedos das mãos se embarcarmos em uma insensata busca numérica.

Com as luzes da sala de exibição apagadas deixemo-nos levar pelo tatear luminoso dos rodapés, outrora lanterninhas dos Cinemas Paradisos da vida.



Walter Benjamin tendia a utilizar suas citações de forma inesperada para impactar seus leitores. Comparava suas citações a salteadores de estradas desertas que planejavam atacar as diligências em trechos sombrios para roubar as convicções dos passageiros.


O mesmo Benjamin ressaltava que:


“... A natureza que fala à câmara não é a mesma que fala ao olhar; é outra, especialmente porque substitui a um espaço trabalhado conscientemente pelo homem, um espaço que ele percorre inconscientemente...


... A fotografia nos mostra essa atitude, através dos seus recursos auxiliares: câmara lenta, ampliação. Só a fotografia revela esse inconsciente ótico, como só a psicanálise revela o inconsciente pulsional...“


Depreende-se que o filósofo alemão identificava na fotografia o inconsciente da visão. Em seu ensaio A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica, o autor aborda o cinema de maneira singular, estabelecendo uma relação de continuidade/superação com o texto sobre a História da Fotografia.

Cabe-nos destacar alguns pontos desta análise para iluminar o objetivo desse texto: “... Tendo em vista que a superestrutura se modifica mais lentamente que a base econômica, as mudanças ocorridas nas condições de produção precisaram mais de meio século para refletir-se em todos os setores da cultura...” (Walter Benjamin)

O cinema de Monicelli e os sambas de Noel Rosa e Ismael Silva, por exemplo, expressam esta não correspondência mecânica entre base e superestrutura como ainda insistem em postular marxistas que pautam suas análises pelo reducionismo e pela tautologia.


Filmes como “Romance Popular e letras como “Não Tem Tradução” (O Cinema Falado), trazem embutidos em seus conteúdos permanências culturais e afetivas de pelo menos um século das Histórias das sociedades italiana e brasileira.


Emociona perceber que, mesmo com a subtração do valor de culto da obra de arte e com o apagar de sua origem de instrumento mágico e a sobreposição da hegemonia do seu valor de exposição, continuam presentes no cinema e na música a aura das festas e dos rituais pretéritos do tempo da não alienação, no qual o sagrado e o profano não viviam em dicotomia.


É mais interessante ainda constatar como o gênio de Noel Rosa criou em 1933 uma parceria quase mediúnica com Walter Benjamin e outros componentes da Escola de Frankfurt. Sabemos que Vinícius de Moraes, Orestes Barbosa e Mario Lago afirmaram que trocariam várias de suas letras por apenas duas linhas de “Não Tem Tradução” (O Cinema Falado):

Não Tem Tradução Noel Rosa – 1933

O cinema falado é o grande culpado da transformação

Dessa gente que sente que um barracão prende mais que um xadrez

Lá no morro, seu eu fizer uma falseta,

A Risoleta desiste logo do francês e do inglês

A gíria que o nosso morro criou

Bem cedo a cidade aceitou e usou

Mais tarde o malandro deixou de sambar, dando pinote

E só querendo dançar o fox-trot

Essa gente hoje em dia que tem a mania da exibição

Não se lembra que o samba não tem tradução no idioma francês

Tudo aquilo que o malandro pronuncia

Com voz macia é brasileiro, já passou de português

Amor lá no morro é amor pra chuchu

As rimas do samba não são I love you

E esse negócio de alô, alô boy e alô Johnny

Só pode ser conversa de telefone..

Acessando o link abaixo, “Não tem Tradução” na voz de Caetano Veloso.



Noel Rosa com seu humor corrosivo e impiedoso sem perder a graça e a doçura não deixava passar em branco a mania da exibição. Repetindo: Tudo aquilo que o malandro pronuncia com voz macia é brasileiro, já passou de português.

Em “Meus Caros Amigos”, Monicelli cria o termo supercazzola que ainda hoje em várias regiões da Itália significa um jogo de linguagem desprovido de qualquer sentido lógico, com objetivo único de confundir o interlocutor.

Uma das melhores passagens de Meus Caros Amigos 2:


Acrescentamos que no humor trágico e hedonista de Monicelli, a catarse nega o conformismo, apontando caminhos para driblá-lo e desconstruí-lo. Ao menos parcialmente.


Algo parecido com o que Gramsci cunhou como nacional-popular. Em Gramsci a categoria do nacional-popular é o instrumento que lhe permite afastar-se de dois extremos que rejeitava: um particularismo ou ¨nacionalismo¨ populista ou simplista e um ¨cosmopolitismo¨ submisso e meramente imitativo.


Italo Calvino em seu prefácio a “Fazer um Filme” de Federico Fellini desperta nossa atenção para o cinema da distância de nossa juventude que acaba por transformar-se no cinema da vizinhança absoluta. Calvino conclui seu texto mencionando o elemento unificador do comportamento nacional italiano retratado por Fellini. O filme do qual tínhamos a ilusão de ser apenas espectadores é a história de nossas vidas. Poderíamos acrescentar que os personagens dos filmes de Monicelli e dos sambas de Noel Rosa povoam eternamente nossos sonhos.


Assim é a arte de alguns cineastas como Mario Monicelli e sambistas como Noel Rosa e Wilson Baptista. O conteúdo de “Os Companheiros” tem diversos traços de união com dois sambas: “Filosofia” e “Meu mundo é hoje”.


Vamos às letras e aos links: Convidamos o leitor a acessá-los e ouvir estas duas composições.

Filosofia - Noel Rosa e André Filho – 1933

O mundo me condena, e ninguém tem pena

Falando sempre mal do meu nome

Deixando de saber se eu vou morrer de sede

Ou se vou morrer de fome

Mas a filosofia hoje me auxilia

A viver indiferente assim

Nesta prontidão sem fim

Vou fingindo que sou rico

Pra ninguém zombar de mim

Não me incomodo que você me diga

Que a sociedade é minha inimiga

Pois cantando neste mundo

Vivo escravo do meu samba, muito embora vagabundo

Quanto a você da aristocracia

Que tem dinheiro, mas não compra alegria

Há de viver eternamente sendo escrava dessa gente

Que cultiva hipocrisia

Filosofia na voz de Chico Buarque:


Meu Mundo É Hoje - Wilson Baptista e José Batista

Eu sou assim, quem quiser gostar de mim eu sou assim.

Eu sou assim, quem quiser gostar de mim eu sou assim.

Meu mundo é hoje não existe amanhã pra mim

Eu sou assim, assim morrerei um dia.

Não levarei arrependimentos nem o peso da hipocrisia.

Tenho pena daqueles que se agacham até o chão

Enganando a si mesmos por dinheiro ou posição

Nunca tomei parte desse enorme batalhão,

Pois sei que além de flores, nada mais vai no caixão.

Eu sou assim, quem quiser gostar de mim eu sou assim.

Meu Mundo É Hoje na voz de Paulinho da Viola



Concluindo podemos afirmar que este diálogo entre Monicelli e os bambas do samba carioca enseja uma reflexão através da qual é possível sintonizar a conquista de diversos espaços estéticos que as classes populares conseguem alcançar, abandonando o gueto, escapando da folclorização e reforçando a autoestima para compreensão de valores até então subordinados dentro do processo de hegemonia cultural das classes dominantes.




Raul Milliet Filho é Historiador, criador e editor responsável deste blog, mestre em História Política pela UERJ, doutor em História Social pela USP. Como professor, pesquisador e autor prioriza a cultura popular. Gestor de políticas sociais, idealizou e coordenou o Recriança, projeto de democratização esportiva para crianças e jovens. Autor de “Vida que segue: João Saldanha e as copas de 1966 e 1970” e do artigo “Eric Hobsbawm e o futebol”, dentre outros. Dirigiu os documentários: “Quem não faz, leva: as máximas e expressões do futebol brasileiro” e “A mulher no esporte brasileiro”.



196 visualizações

Deixa Falar: Criação e Edição de Raul Milliet Filho

© 2020 por DEIXA FALAR - O Megafone da cultura -  Orgulhosamente criado com Wix.com